quarta-feira, 29 de setembro de 2010

“A linguagem é pele: esfrego minha linguagem no outro. É como se eu tivesse ao invés de dedos, os dedos na ponta das palavras. Minha linguagem treme de desejo. A emoção de um duplo contato: de um lado, toda uma atividade do discurso vem, discretamente, indiretamente, colocar em evidência um significado único que ´é eu te desejo', e libertá-lo, alimentá-lo, ramificá-lo, fazê-lo explodir (a linguagem goza de se tocar a si mesma); por outro lado, envolvo o outro nas minhas palavras, eu o acaricio, o roço, prolongo esse roçar, me esforço em fazer durar o comentário ao qual submeto a relação”.
Roland Barthes - Fragmentos de um discurso amoroso

Nenhum comentário:

Postar um comentário